Epilepsia em gatos: sim, existe!

Nós, enquanto seres vivos, estamos suscetíveis a inúmeras doenças. Algumas conhecemos bem, outras já ouvimos falar e tem também aquelas que nem imaginamos que existam, principalmente quando se trata do mundo animal.

A epilepsia se encaixa no tipo que até sabemos existir, mas, por falta de contato direto, acabamos deixando o interesse por ela à sombra. Isso até o momento em que a epilepsia acomete alguém próximo.

Era uma tarde de uma semana qualquer e, enquanto eu trabalhava no meu computador, minhas filhas felinas dormiam tranquilamente. Até que uma delas, com mais ou menos dois anos e meio na época, começou a se debater no chão, bem ao meu lado. Inicialmente achei que ela estava se coçando, até perceber que ela se debatia no chão. Entrei em desespero, achei que ela tinha se engasgado com algo, peguei no colo, tentei ajudá-la, mas eu não sabia o que fazer…ela se debateu muito durante alguns minutos (não sei quantos, mas parecia uma eternidade), até que ficou ‘dura’ no meu colo, imóvel e estática.

Eu saí correndo gritando, desesperada, pela porta de casa com ela nos meus braços, batendo nos vizinhos, pedindo ajuda… até que um vizinho me atendeu. Nesse meio tempo, ela foi voltando a si, muito assustada, soltou um miadinho fraco e a pupila foi voltando ao normal;  eu a soltei no chão e ela, meio cambaleante, correu para comer e depois de escondeu.

A partir desse dia, após achar que minha filha felina tinha morrido nos meus braços para em seguida, minutos depois, poder revê-la ali, viva e bem, (além do alivio) entendi o real significado e intensidade da palavra amor. É impossível descrever em palavras o desespero e sentimento de impotência naquele momento. E doeu vê-la passar por isso outras vezes, até termos certeza do que nossa pequena tinha e de como tratá-la.

E vocês podem estar se questionando: mas existe epilepsia em gatos?

Pois é, também tivemos que buscar algumas respostas e orientações, afinal a epilepsia não é muito comum em gatos, principalmente entre os jovens.

Mas o que é epilepsia?

A epilepsia é uma alteração temporária e reversível do funcionamento do cérebro que pode resultar em crises convulsivas e repetidas. Isso ocorre em função da atividade excessiva e/ou anormal das células cerebrais, ou seja, uma parte do cérebro emite sinais incorretos e ocorre um “curto circuito” nos neurônios.

126741_Papel-de-Parede-Gato-Deitado-126741_1680x1050

Causas

No caso de ocorrência de convulsão em animais, um veterinário irá investigar o paciente, através de exames como análise de sangue e de urina, radiografias e até encefalogramas, para tentar encontrar a causa, mas a origem da doença pode advir de diferentes motivos.

Epilepsia primária ou Idiopática: Idiopática, nome dado quando não se encontra a causa; normalmente tem caráter hereditário.

– Epilepsia secundária: resultante de processos intracranianos ativos como tumores, encefalites e meningites, parasitoses, traumas e outros.

Em gatos até um ano de idade, as causas estão geralmente associadas à má formação, a intoxicações, a traumas, a distúrbios metabólicos e a processos infecciosos. Entre os animais de 1 a 5 anos, associa-se a traumas, intoxicações, problemas infecciosos, neoplasias e, a causa mais comum, a epilepsia idiopática.

Nos velhinhos, associa-se à neoplasia intracraniana, a um processo inflamatório ou infeccioso e a distúrbios metabólicos. Dentre todas essas, a mais observada na clínica veterinária é a epilepsia idiopática, ou seja, aquela que não se sabe ou não se consegue identificar a causa.

Como detecar

Uma crise epilética dura em torno de 1 a 5 minutos e um gato com epilepsia pode apresentar alguns sintomas como convulsões, rigidez muscular, perda de equilíbrio, hiperatividade, dificuldade para comer e beber, dificuldade para caminhar, nervosismo, hipersalivação, micção e defecação espontânea.

Como-lidar-com-a-intoxicação-de-cães-e-gatos

Outros sintomas merecem atenção porque podem anteceder uma crise de convulsão como a hiperventilação e espasmos/movimentos musculares involuntários.

Após a crise é comum os gatos miarem muito e irem correndo comer. Inclusive eles podem passar a evitar, por um tempo, os ambientes ou locais onde convulsionaram.

Tratamento

A epilepsia não tem cura mas pode ser controlada através de terapias adequadas.

Existem medicamentos de curta e longa duração que atuam impedindo que o “curto circuito” se dissemine e assim, que a crise ocorra. O medicamente deve ser administrado por um veterinário,  pois ele saberá avaliar qual é o mais indicado, assim como dosagem e frequência.

Nunca administre medicamentos por conta própria, assim como não mude a frequência ou dose do medicamento por conta própria, isso pode cortar o efeito do tratamento e pior ainda, colocar em risco a vida do seu gatinho.

Recursos da medicina alternativa (homeopatia, reiki, acupuntura etc.) podem complementar de forma satisfatória o tratamento.

gato-com-gripe

Importante também fazer exames periódicos para acompanhar e monitorar a doença (principalmente dependendo a causa), assim como os níveis do medicamento no organismo do animal.

Dica: anotar as datas, horários e durações das crises auxilia muito na avaliação do veterinário.

 

E como ajudar seu gatinho durante uma convulsão?

Bom, como mencionei inicialmente, meu desespero foi enorme, principalmente porque eu não sabia o que estava acontecendo. Ficou claro que eu fiz tudo errado em um primeiro momento, não é? Mas, com o tempo e com a orientação correta, fui conseguindo manter a calma e ajudar minha pequena quando ela convulsionava, tudo para que ela passasse por aquilo da melhor maneira possível.

E o que fazer?

Aqui vão algumas das orientações que recebi de profissionais da área médica para o caso da minha gata, mas é importante salientar que só o veterinário do seu animal poderá dizer com precisão o que fazer em um momento de crise.

– Inicialmente é importante manter o silêncio e reduzir a luz, pois os sentidos dos gatinhos ficam bem aguçados e isso os assusta ainda mais.

– É importante não pegá-lo no colo, mas fazer o possível para acomodá-lo em algum lugar confortável, atentando-se para afastar todos os objetos que possam vir a machucá-lo.

– O cuidado para que ele não bata a cabeça ou caia de lugares altos é essencial.

– Durante a crise, o gato pode perder temporariamente a consciência, resultando no não-reconhecimento do dono e de pessoas familiares. Por isso, mesmo que ele se esconda após a crise, é interessante que o dono do gatinho fale com ele, em tom suave e baixo, para que o pequeno, ao  reconhecê-lo, vá se tranquilizando mais rapidamente.

E como está a nossa Luna11046242_986852781378306_8632638100922019523_n

Após cerca de 5 episódios de convulsão, ela foi avaliada e diagnosticada como epilética de causa idiopática (não encontramos a causa). Foi medicada, monitorada por um veterinário para tentarmos retirar o medicamento, mas, como não respondeu adequadamente, retomamos o uso e seguimos até hoje. Ela toma o medicamento diariamente há mais ou menos dois anos e faz acompanhamento através de exames e consulta com um veterinário neurologista periodicamente.

Desde então, ela nunca mais convulsionou.

Hoje, com 4 anos, nossa primogênita continua saudável, brincalhona, carinhosa, ativa, esperta, faz uma massagem através do ‘amassadinho’ sem igual e é uma caçadora excepcional. É o grude do pai, mas falante como a mãe.

Ela é linda, o amor das nossas vidas e dona de um sorriso APAIXONANTE.

16999118_1333458960051018_8124244664356795902_n

Não acham?

  ❤  ❤

Fonte: http://epilepsia.org.br/o-que-e-epilepsia/
https://www.peritoanimal.com.br/epilepsia-em-gatos-sintomas-tratamento-e-cuidados-21287.html
http://animais.culturamix.com/doencas/epilepsia-em-caes-e-gatos
https://www.estimacao.com.br/epilepsia-em-caes-gatos-o-que-fazer/

Fotos: Arquivo pessoal
http://animais.culturamix.com/doencas/epilepsia-em-caes-e-gatos
http://blog.bichomaps.com.br/epilepsia-em-gatos-como-lidar/
http://www.ultracurioso.com.br/12-evidencias-de-que-voce-nasceu-pra-ficar-deitado/
http://www.osmais.com/?ver=MTQyODQ=

Anúncios

Um comentário sobre “Epilepsia em gatos: sim, existe!

  1. Rebeca disse:

    Olá, que linda a Luna. Amo esse nome porque foi da minha primeira gatinha.
    Estou escrevendo porque exatamente esta semana minha outra, chamada Mia de 3 anos também simplesmente começou a convulsionar. Levamos ao veterinário, fizemos todos os exames possíveis mas pelo que tudo indica é epilepsia de causa idiopática igual a sua. Hoje iniciamos as doses em casa. Continuará manhosa e amada por aqui. Passamos por um baita susto e agora estou mais calma também. Eles são membros da família e o amor é incondicional!
    Beijos e lambeijos

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s