Saudações, humano: seu gato ao cumprimentá-lo

Ele te espera na porta ou dá as costas quando você chega e tenta acariciá-lo? Mia freneticamente ou se joga no chão para mostrar a barriguinha peluda enquanto faz um break dance? Corre e se esconde? Certamente, você já identificou algum desses comportamentos em seu gato que, apesar de serem complicados de decifrar, com uma ajudinha técnica facilita o entendimento sobre o que ele está expressando ao cumprimentar você.

 

Conforme comentei em posts anteriores, tenho dois gatos jovens que foram adotados em diferentes tempos. Como eu não havia tido um felino antes, foi uma surpresa perceber o quanto eles são diferentes na personalidade, evidenciando que gatos não são “tudo a mesma coisa”.

 

Durante cada processo de adaptação, um fato curioso despertou meu interesse: o modo como cada um me cumprimentava quando eu retornava do trabalho. Enquanto o Boris se passava o corpo em mim para logo se atirar no chão e se esfregar no piso como uma enceradeira, Cesar miava feito louco, para logo sair correndo e miar a distância. Considero aqui a existência de múltiplas variáveis que impactam no comportamento de um animal, entretanto, focarei em alguns que já estão decodificados para a alegria dos donos.

 

O “oi” sobre duas patas

 

De modo geral, os gatos se cumprimentam esfregando suas carinhas uns nos outros. Entretanto, com os humanos isso fica um tanto quanto complicado, pois somos altos demais para eles. A forma de recompensar a diferença de altura é se apoiarem nas patas posteriores para estarem mais próximos a nós.

 

Ainda, é possível observar que eles voltam à sua posição original para esfregarem suas cabeças em nossas pernas. Se nos colocamos à altura deles, farão isso com nossas mãos e braços, do contrário, vão pular em algum móvel para tornar a fricção mais efetiva.

 

Isso é importante para o gatinho, pois este comportamento tem como objetivo misturar os cheiros individuais do gato com o do dono, transformando-o em um cheiro familiar para ele e, supostamente, para o humano. Pena que não detectamos esse cheirinho especial, né?

 

 

Portas, para que servem?

 

Outro comportamento relacionado ao cumprimento é o miado quando saímos ou chegamos em casa. Além de disparar ansiedade – e certa bronca por não poderem ultrapassar sua maior barreira, a porta – os gatos aprendem que, com esse movimento de entrada e saída do humano, eles podem perder ou ganhar coisas: carinho, comida, brincadeira, companhia, etc..

 

Nesse sentido, os bichanos têm raiva da porta porque ela simboliza o bloqueio a um importante recurso: você. Sem contar que a porta não está registrada na história evolutiva dos gatos, logo, vira objeto de frustração e impedimento. Mas não amoleça seus princípios por conta disso: os gatos devem permanecer dentro de casa sempre, para sua própria segurança.

 

 

Dando as costas ou a barriga

 

Muitas vezes, este gesto de dar as costas é mal interpretado. Também, pudera: você chega em casa cheio de amor para o bigodudo, e ele mal te olha. E ainda te dá as costas! Quantas vezes achei que o Cesar me odiava por causa disso… Mas logo descobri que esta é a forma como alguns ronrons comunicam seu “oi, tudo bem”: saem de onde estão, ficam de costas para o dono, esticam as patas saltando as unhas, bocejam e sacodem levemente o rabo. Alguns ainda olham para o dono fixamente, enquanto executam o ritual.

 

Parece ameaçador, mas é o jeito que eles têm de oferecer uma reação passivamente amistosa, digna apenas para os “mais chegados”. Da mesma forma que a postura da barriga para cima. Poucos gatos se atrevem a fazer isso com desconhecidos. Pois esta posição os deixa mais vulneráveis.

 

Se seu gatinho fica de barriga para você, ele está dizendo algo mais ou menos assim “confio tanto em você que não me importo em estar tão vulnerável”. Inclusive, tal ação faz referência a um comportamento infantil, em que o gato se coloca na posição de filhote, onde você é o papai ou a mamãe. Fofo, né?!

 

Realmente sou fascinada pelo universo dos gatos, e vejo que temos muito o que aprender com eles. É uma pena o fato de existirem tantos mitos em torno desses animais, que acabam sendo vítimas da ignorância humana. Por isso, informação é sempre muito bem-vinda. Neste blog é unânime a opinião de que os gatos são uma fonte de curiosidades, amor e alegria. Até a próxima, pessoal!

 

** As informações sobre o comportamento felino foram extraídos do livro “Guía para Comprender a los Gatos”, Desmond Morris.

 

Fotos: Wikipédia, seção “Cat Behavior” / Dacian Groza / Likekittysville

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s