Introduzindo cães e gatos: a chegada de um novo membro na família

 

A introdução de um novo pet em uma família que já tenha um bichinho como membro da família sempre requer um pouco de cuidado e paciência, afinal, isso significa uma divisão de atenção, que poderá gerar ciúmes e, consequentemente, alguma mudança comportamental. Mas basta um pouco de disciplina, boa vontade, e muito amor, que com certeza a família poderá crescer com tranquilidade. 

 

Leia também: Como introduzir um novo ronrom à família.

Adotar um cão e um gato filhotes ao mesmo tempo: 

Se você pretende adotar um cão e um gato filhotes, e tiver essa opção: adote os dois ao mesmo tempo. É mais simples apresentar dois filhotes e esperar que interajam sem medo. Eles vão crescer e aprender juntos, podendo inclusive se enxergar como irmãos. Nenhum deles vai sentir seu território ameaçado pelo outro, pois os dois estarão chegando juntos. Nesse caso não há muita preocupação, eles irão aprender a se respeitar, a se defender, e a entender seus limites juntos. É sempre bom estar presente nas primeiras interações e supervisioná-los um pouco, mas a ideia é que eles construam uma relação deles, sem requerer muita interferência de sua parte. É importante ressaltar que a chegada dos dois filhotes juntos vai requerer uma preparação da família, pois eles irão exigir muita energia, cuidados, disciplina, atenção e adestramento. A responsabilidade com dois filhotes é ainda maior e isso também deve ser levado em consideração na hora de adotar.

 

Chegada de um gato filhote em uma família com cão adulto:

Se a família já tem um cão e decidiu adotar um gatinho filhote, a apresentação irá requerer um pouco mais de cuidado. Antes de adotar o gatinho, conheça seu cão: certifique-se de que ele irá aceitar um ronrom; se o seu cão for muito territorialista, ou agressivo com outros bichinhos, talvez seja melhor reconsiderar – para não colocar em risco, inclusive, a vida do gatinho. Uma opção é contratar um adestrador, que irá garantir que seu cão tenha limites, educação e respeito, e que você seja capaz de controlá-lo. Já se o seu cachorro for dócil, a chegada do novo gatinho fica mais fácil – mas é sempre bom garantir que o cão saiba obedecer e respeitar os limites. A chave para apresentar o novo ronrom é garantir que seu cãozinho continuará recebendo a mesma atenção com que já está acostumado. É essencial que o tratamento seja o mesmo pois, para ele, esse novo integrante é um “intruso”, o que pode ser visto como uma ameaça. Garantindo que ele continua recebendo a mesma atenção e carinho, basta partir para o uso da técnica de associação positiva: associe o gatinho a coisas boas para o seu cachorro – quando apresentá-los pela primeira vez, leve petiscos, brinquedinhos, e dê muito carinho. Dessa forma, ele não verá o novo pet como uma ameaça, e irá associá-lo a coisas boas. Quando apresentá-los, evite ao máximo repreender seu cão, incentive os comportamentos positivos, isso fará com que a aceitação inicial seja mais fácil. É recomendado que no começo dessa relação sempre haja alguém supervisionando a interação, afinal, o gatinho pode extrapolar algum limite e isso pode gerar uma reação no cachorro. Com o tempo, eles vão construindo uma relação por si só, e vão entendendo os limites de cada um.

 

Chegada de um cão filhote em uma família com gato adulto:

Os gatos são um pouco mais relutantes em aceitar um novo membro da família do que os cães. Gatos tem personalidades próprias e muito distintas, então o tempo de adaptação dos dois vai depender muito da personalidade do ronrom. Filhotes de cães são brincalhões e cheios de energia, por isso exigem um pouco mais de paciência – incluindo do seu novo amigo pet. Para introduzir um filhote de cachorro em uma casa onde já exista um gato adulto, procure associar a vinda do novo cãozinho a coisas boas, como petiscos, carinhos e brincadeiras – associação positiva. Uma dica é cortar as unhas do gatinho antes de receber o novo filhote, já que elas são a primeira arma a que ele vai recorrer se perder a paciência. É sua responsabilidade proteger o seu gato e seu novo cachorrinho, por isso o primeiro contato deve ser feito com calma e cuidado. Não obrigue seu gato a vir dar oi imediatamente para o novo integrante, respeite seu tempo e pode ter certeza que sua curiosidade irá atraí-lo para perto do cãozinho. Se isso demorar a acontecer, atraia-o você com seus petiscos favoritos, isso irá ajudá-lo a se sentir no controle. As primeiras impressões são importantes para um gato, então é essencial garantir que os primeiros encontros entre ele e o novo cãozinho sejam minimamente estressantes. No início, contenha o filhote, não deixe que ele seja afoito para chegar no gato, não permita que ele vá cheirar seu bumbum, pois, muito provavelmente o gato se sentirá invadido e poderá atacar. O ideal é segurar o filhote e deixar que o gato se aproxime, sinta seu cheiro, se familiarize e finalmente se sinta seguro na presença do novo irmãozinho. Procure associar o filhote a todas as coisas boas do gatinho, marque o cheiro dele nos petiscos que der ao seu gato e sempre encha-o de carinho e garanta a ele que ele é o dono da casa e que deve cuidar do filhotinho, que não é uma ameaça. Aos poucos o gato irá se aproximar naturalmente do cãozinho. Alguns desentendimentos iniciais não significam que eles não se darão bem no futuro, basta dar tempo para que eles se conheçam e se acostumem – sempre supervisionando esses primeiros encontros. Com o tempo o gato vai entender que o cãozinho faz parte do seu território.

 

Chegada de um gato adulto em uma família com cão adulto:

A introdução de dois animais adultos requer ainda mais paciência. O novo integrante terá passado por muitas mudanças, principalmente se tiver sido transportado, e certamente estará estressado. Nesse caso, o melhor é primeiro levá-lo para casa e esperar alguns dias até apresentá-los, para que o gato se acostume primeiro com você e com o ambiente. Vá introduzindo o cheiro de um para o outro, isso funcionará como um primeiro contato. Deixe que se olhem por uma fresta de porta, vá fazendo o contato aos poucos, até colocá-los juntos no mesmo ambiente. Quando apresentá-los, lembre-se de associar o contato com coisas positivas – brincadeiras, petiscos – e lembre-se de dar muita atenção e carinho para ambos, de forma igual. A relação dos dois vai demorar um pouco mais para ser construída, eles precisam ganhar confiança um no outro, e isso geralmente leva tempo. É totalmente possível que nasça daí uma amizade, apenas garanta que haja supervisão em seus primeiros encontros, garantindo que um bichinho não pegue o outro de surpresa. Se algum deles tiver histórico de agressividade, é sempre recomendado que se consulte um bom adestrador para garantir o sucesso da introdução dos dois pets.

 

Chegada de um cão adulto em uma família com gato adulto:

Gatos costumam ser mais territorialistas que os cães. Por isso, essa introdução tende a ser um pouco mais complicada. Lembre-se de manter seu gato no controle. A dica da introdução aos poucos é a mesma, faça eles irem se conhecendo, sempre associando a presença do outro a coisas boas. No momento do primeiro contato, segure o cão para que ele não chegue muito afoito para dar oi. Associe o novo cão a boas experiências, um petisco diferente, um novo brinquedo, e garanta que ele saiba respeitar o espaço do gato. Se isso acontecer, é apenas uma questão de tempo para que a convivência se torne harmoniosa.

 

Veja no vídeo a seguir, algumas dicas para os primeiros contatos entre cães e gatos:

Dicas importantes:

 

Sempre mantenha o seu cão na coleira durante as primeiras apresentações, ou mantenha-o seguro em suas mãos se for um filhote;

 

 Se for necessário algum tipo de intervenção em algum momento, seja com o cão ou com o gato, foque no positivo: não repreenda. Se alguém fizer algo errado ou for agressivo, simplesmente tire-o de perto, não brigue, para eles não associarem a imagem do outro a algo ruim;

 

Lembre-se que seus bichinhos são um reflexo de suas emoções: se você estiver tenso e estressado, eles também ficarão, então é importante manter-se calmo;

 

 Quando você não está por perto ou não pode supervisionar diretamente, mantenha o seu gato e o seu cão confinados em áreas distintas de sua casa. A maioria dos cães e gatos convive em harmonia depois de estarem acostumados um com o outro, mas no início da relação, melhor prevenir e deixá-los separados;

 

 Seu cão não deve ter acesso à caixinha de areia do gato. Além de ser altamente estressante para o gato, o seu cão pode acabar comendo as fezes do gatinho, e isso pode colocar em risco a saúde do cãozinho, além do ato poder ser interpretado como um sinal de dominância;

 

Alimente-os separadamente. O momento da refeição costuma ser o momento mais propício para brigas entre os bichinhos, por isso não deixe que um pet tenha acesso à comida do outro, até porque cada um tem que ter seu alimento específico.

Lembre-se de que o importante é ter paciência. Com calma e dedicação, todos podem conviver em harmonia e formar uma família completa e feliz. 

 

Leia também:

– Como Introduzir um novo ronrom à família.

– Recebendo o primeiro ronrom em casa.

– As vantagens de adotar um gato adulto.

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s